Terei retorno ao revender um carro de leilão?

Compartilhe:
Recomendamos, antes de tomar qualquer decisão relacionada a compra de um veículo, pesquisar e buscar informação para esclarecer qualquer dúvida.
01
Oct

Devido a algumas crenças sobre a procedência de carros leiloados, muitas pessoas deixam de fazer um bom negócio e poupar um bom dinheiro com esse tipo de negociação.

Recomendamos, antes de tomar qualquer decisão relacionada a compra de um veículo, pesquisar e buscar informação para esclarecer qualquer dúvida que te impeça de comprar um leiloado.

Uma das maiores dúvidas é exatamente sobre a segurança que o comprador terá sobre o valor do automóvel caso ele precise vender posteriormente.
Para isso, é importante entender o motivo pelo qual carros vão a leilão. Isso pode acontecer por diversas razões, entre elas:

Apreensão pela financeira


Quando o proprietário do veículo não cumpre com o acordo de compra e deixa de quitar as parcelas com a financeira através da qual fez a aquisição. Nesse caso, a financeira apreende e leiloa posteriormente.

Inadimplência com o Detran


Quando o veículo é apreendido por qualquer irregularidade e o proprietário não quita a dívida com o Detran dentro do prazo estabelecido.

Sinistro ou indenização


Quando a seguradora indeniza o proprietário após acidente com perda total ou qualquer outra situação em que o reparo do veículo supere a escala de 75% de seu valor. Em casos de furto onde o carro não é encontrado dentro do tempo estabelecido pela seguradora ou é encontrado fora de condições de uso. Assim a seguradora se apropria da carcaça e leva-os a leilão.

Vantagens


Uma das maiores vantagens em comprar um carro de leilão é o preço. Pode custar até 50% menos que o determinado pela tabela FIPE. Ou seja, muito abaixo do preço dos carros de concessionária. Além disso, segundo o artigo 328 do Código de Trânsito Brasileiro, o preço pago na compra do veículo de leilão quita dívidas antigas relacionadas ao IPVA. Por isso você só irá se preocupar com a documentação e os reparos necessários.

Possíveis desvantagens


Diferente da compra em concessionárias onde você pode parcelar diretamente ou procurar uma financeira para intermediar a transação, o carro de leilão precisa ser pago a vista. Além disso, algumas seguradoras não aceitam fazer seguro de carros comprados em leilão.

Independente de qualquer situação, você precisa estar atento aos detalhes dessa negociação, avaliar o estado de conservação do veículo, ler o edital do leilão para entender as normas e procedência do veículo para que o barato não saia caro lá na frente.

Tipos de leilão


Como já mencionamos, veículos podem ser leiloados por diversas razões. Por isso, os termos de cada leilão podem mudar de um para outro. Os leilões de carros podem ser de:

Montadora: feito com os carros da frota da própria montadora. Normalmente aqueles usados para teste drive ou serviços internos. É tido como o mais vantajoso, pois como o carro é da fabricante costuma estar em melhor estado de conservação.

Recuperação financeira: são aqueles realizados por bancos e financeiras ofertando veículos que foram apreendidos por inadimplência, sinistro ou indenização. Nele há veículos de todas as procedências relacionadas no início deste artigo.

Seguradoras: carros sinistrados e recuperados de roubo ou furto são disponibilizados nesse tipo de leilão. Isso porque a financeira indeniza ou recupera aqueles que sofreram danos de média ou grande monta, como você pode conferir aqui.

De qualquer modo, independente do tipo de leilão onde você queira comprar seu carro e ter uma boa vantagem financeira, é fundamental que leve o veículo para avaliação em uma oficina mecânica e tenha acesso ao edital do leilão. O edital pode ser encontrado nos sites das empresas de leilões. Certifique-se também se o leilão é regularizado.

Outro importante passo no processo de compra de um carro de leilão é pesquisar os valores disponíveis e comparar com o preço de mercado. Para isso basta fazer uma busca online.

Conhece mais alguém que esteja em busca de um bom leilão, mas ainda não sabe bem como proceder durante a negociação? compartilhe esse artigo com ele!


Compartilhe: